Florianópolis será sede do Conbrai 2019 em setembro

As inscrições para a 39a edição do Congresso Brasileiro de Auditoria Interna estão com preço promocional até o dia 31 de março de 2019. Este ano, o evento ocorrerá de 15 a 17 de setembro em Florianópolis e abordará o tema “Tecnologia e inovação para a auditoria interna”.  Reconhecido nacionalmente, o Conbrai é também uma celebração do avanço e sucesso do setor no País. Os organizadores esperam receber mais de 800 profissionais durante os três dias de programação.

O valor deste primeiro lote é de R$ 2.190,00 (ao invés de R$ 3.000,00) e inclui Certificado de participação com aproximadamente 14 horas de conteúdo técnico a serem convertidos em 16 créditos de CPE; Participação em todas as palestras das plenárias e as palestras simultâneas (distribuídas por temas variados e condicionadas à escolha do congressista); Entrada exclusiva para o Coquetel de abertura e Coquetel de confraternização; 4 coffee-breaks; 2 almoços; Download das palestras autorizadas; E brindes. Para participar, basta acessar o site e inscrever-se. O Instituto dos Auditores Internos do Brasil (IIA Brasil) é a entidade que promove o Conbrai.

DqHchm8W4AA41ar
Em 2018, o Conbrai  deu lugar ao Congresso Latino-Americano de Auditoria Interna (CLAI) em Foz do Iguaçu, no Paraná 

Serviço

O quê – Conbrai (Congresso Brasileiro de Auditoria Interna)

Quando – 15 a 17 de setembro em Florianópolis

Informações –  https://iiabrasil.org.br/conbrai/

Anúncios

Um novo ciclo de otimismo e muito trabalho para as auditorias

*por Rene Andrich

O final de um ciclo é oportunidade de renovação. Temos o momento de prosperidade, depois vem a recessão, a depressão e pôr fim, a recuperação e a desejada bonança. Nas organizações isso não é diferente. Um ciclo começa quando tudo vai bem e todos estão ganhando. Aí vem a recessão: juros e salários ainda altos, contrastando com uma queda na demanda. É o começo da depressão, caracterizada pela ociosidade e desemprego. É o fundo do poço. O ponto é que essa não é uma ciência exata. Ninguém sabe quanto tempo cada ciclo durará, até que volte o crescimento.

Passamos nos últimos anos por momentos difíceis que contribuíram para mudanças importantes que hoje estamos vivenciando. Começou com o desmantelamento de práticas que corroíam as riquezas produzidas por grandes organizações públicas. Avançamos no fortalecimento de práticas de governança, destacando a importância de fatores como o amplo acesso a informações pelas partes interessadas; a transparência, garantindo a essas partes o mesmo tratamento; a equidade, tornando público os seus atos e assumindo integralmente suas consequências; a prestação de contas e por fim zelando pela viabilidade econômica financeira das organizações; a responsabilidade corporativa.

Temos vivido momentos de renovação, com fortalecimento nas organizações de estruturas de auditoria interna, controles internos, riscos, conformidade e mecanismos de prevenção e investigação de fraude. Tivemos também o início do vigor da Lei 13303/2016, direcionada a empresas públicas e sociedades de economia mista, que ficou conhecida como a “Lei das Estatais”. Ela veio a ditar regras para o fortalecimento da governança dessas organizações, blindando essas empresas contra interferências de cunho político partidário. Temos que permanecer alertas e não permitir nenhum retrocesso nesse aspecto.

E para citar apenas algumas mudanças, tivemos por fim a promulgação da lei 13709/2018, que trata da proteção de dados digitais, por pessoa natural ou por pessoa jurídica de direito público ou privado, com o objetivo de proteger os direitos fundamentais de liberdade e de privacidade, e o livre desenvolvimento da personalidade da pessoa natural.

As organizações estão passando por intenso processo de transformação digital. Acompanhar essa evolução é condição de sobrevivência para profissionais de contabilidade e auditoria. Na contabilidade, o blockchain está promovendo importantes mudanças. Ao invés de contas e partidas dobradas, temos blocos conectados por um identificador único, em uma cadeia continua.

Na auditoria, a robotização, a inteligência artificial, a utilização da mineração de dados, as análises preditivas e a auditoria contínua, deixaram para trás os métodos tradicionais de se auditar. Serão cada vez mais necessários profissionais com conhecimento em tecnologia e estatística, que entendam o ambiente cultural da organização e que estejam intensamente conectados com o negócio.

Há de se enfatizar também que a figura do auditor policial que foi formada na cabeça dos nossos gestores deve ficar definitivamente no passado. Assim seguiremos em frente, não mais apenas protegendo o valor das organizações, mas muito mais adicionando valor, contribuindo para que atinjam seus objetivos estratégicos e tenham seus ciclos de vida estendidos. É isso que espero para 2019; um ano energizado, repleto de desafios e de muito sucesso para todos nós.

 

redes-sociais.001
Rene Andrich é presidente do Conselho de Administração do Instituto dos Auditores Internos do Brasil – IIA Brasil (Foto: IIA-Brasil/Divulgação)

IIA Brasil e IBGC lançam guia detalhado sobre a auditoria interna

São mais de 50 páginas de valioso conteúdo, que une auditoria interna e governança corporativa. Dois dos mais respeitados institutos do país, que atuam na promoção da ética, transparência e boas práticas de gestão de empresas públicas e privadas, juntaram-se, para editar o guia ‘Auditoria Interna – aspectos essenciais para o conselho de administração’. O documento é resultado de quase um ano de estudos realizados por executivos do Instituto dos Auditores internos do Brasil (IIA Brasil), e pelo Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC), contando ainda, com o apoio da consultoria global PwC.

O Guia foi apresentado na manhã desta sexta-feira (14), em um hotel na capital paulista, durante um seminário organizado pelo IIA Brasil, com a promoção de um debate sobre as expectativas de comitês de auditoria em relação à auditoria interna. “O evento marca não somente o lançamento do Guia para nossos auditores associados, mas também o anúncio do fortalecimento da parceria entre o IIA Brasil e o IBGC, juntos, como promotores de valores éticos e de conhecimentos técnicos, capazes de contribuírem na formação de profissionais mais íntegros e preparados para os desafios do mercado”, comenta Braselino Assunção, diretor-geral do IIA Brasil.

O documento, que será disponibilizado gratuitamente, visa mostrar que a auditoria interna pode interagir e colaborar com as áreas de controles internos, riscos e compliance, contribuindo para uma melhoria contínua dos processos nas organizações. Para Heloisa Bedicks superintendente-geral do IBGC, a atividade de auditoria é um instrumento relevante no fortalecimento das empresas. “Ela ajuda as organizações a gerir metas, avaliar riscos, melhorar controles e evitar perdas. Apesar de sua reconhecida importância, há muito trabalho a ser feito: os conselheiros de administração carecem de mais conhecimento sobre a inserção da auditoria interna no contexto da governança”, diz a executiva.

48080571_1861771030615248_4015254299557756928_o
Instituto dos Auditores internos do Brasil e Instituto Brasileiro de Governança Corporativa se unem, em uma parceria inédita, na produção de um guia didático, que elucida a relação de auditores internos com os conselhos de administração e executivos de empresas públicas e privadas

O conteúdo do livro é abrangente e considera os mais diversos tipos e tamanhos de organizações, sejam públicas ou privadas, e não destaca setores específicos. Visa despertar em auditores, conselheiros e executivos, o valor da função de auditoria interna.

Outro ponto central é o de esclarecer sobre as responsabilidades do comitê de auditoria. Segundo Rene Andrich, presidente do conselho de administração do IIA Brasil e integrante do grupo de trabalho que coordenou o Guia, muitos conselheiros de administração desconhecem a amplitude de atuação da equipe da auditoria interna. “Eles compreendem mais sobre auditoria externa, mas têm pouco conhecimento sobre a interna, sobre os seus benefícios, e o que a área pode trazer para os mais altos níveis de governança da organização. Neste material é tratado questões que envolvem qualificação e certificação de profissionais, incluindo uma sugestão de avaliação da própria área. Para esses executivos, a publicação terá grande valia”, revela Rene Andrich.

Sobre o IIA Brasil

O Instituto dos Auditores Internos do Brasil completou 58 anos de fundação sendo uma das cinco maiores entidades da carreira do planeta, entre os 190 países associados ao The Institute of Internal Auditors –A, a mais importante associação do setor no mundo. Referência na América Latina, o IIA Brasil auxilia na formação de outros institutos como o IIA de Angola. No Brasil, a entidade coordena todo o processo de obtenção de certificações internacionais, como o CIA (Certified Internal Auditor), além de promover debates, cursos técnicos, seminários e o Conbrai – Congresso Brasileiro de Auditoria Interna.

Sobre o IBGC
O Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC), organização da sociedade civil, é a principal referência brasileira e uma das principais referências mundiais em Governança Corporativa. Há 22 anos, contribui para o desempenho sustentável das organizações por meio da geração e disseminação de conhecimento das melhores práticas em governança corporativa, influenciando e representando os mais diversos agentes, visando uma sociedade melhor.