Controle interno: isso é da sua conta

Maurício Arjona, auditor interno do Poder Executivo e presidente do Sindiauditoria

Transparência, ouvidoria, compliance, accountability, dados abertos são palavras “da moda” que soam como música aos ouvidos da iniciativa privada, onde as boas práticas e o controle sobre os processos são questão de sobrevivência.

A boa notícia é que temos tudo isso também na esfera pública com o trabalho de controle interno desenvolvido no governo especialmente pelos auditores internos, em conjunto com profissionais de outras carreiras do Estado. Somos uma categoria silenciosa, que trabalha nos bastidores para que os gestores possam tomar decisões acertadas, ao mesmo tempo que evitamos que decisões incorretas do ponto de vista da gestão pública possam prejudicar o erário.

No fim das contas, o impacto disso acontece na vida do cidadão que paga impostos, já que controle interno tem como objetivo central o controle do gasto público. E ele acontece em diversos elos da corrente da administração pública. Passa pela padronização de processos, para que possam ser medidos e aperfeiçoados; pela orientação dos gestores, para que ajam dentro dos limites impostos pelas melhores práticas de governança; pela auditoria de serviços públicos, como os abrangidos pelo programa Auditoria Cidadã, para garantir que o que foi contratado é o que está sendo oferecido; pela orientação sobre compras públicas, para que não haja improbidade administrativa, chegando à ouvidoria, onde obtemos o feedback do nosso cliente final, o contribuinte. Essa atuação para garantir que os recursos arrecadados tenham a melhor aplicação possível exige profundo conhecimento da máquina pública e também comprometimento e autonomia suficientes para apontar irregularidades, quando porventura houver.

Especificamente hoje, dia 20 de novembro, comemoramos o dia do Auditor Interno. Por mais que seja um ano atípico, nós comemoramos, verdadeiramente. Porque apesar dos pesares, obtivemos, neste difícil ano, uma vitória marcante: a nomeação de dois auditores internos de carreira na gestão da Controladoria-Geral do Estado. Isso faz toda a diferença em um contexto onde os gestores passam, mas o patrimônio público precisa permanecer sob permanente vigilância.

Artigo publicado no jornal Notícias do Dia de 20 de novembro de 2020

FIQUE SABENDO – A Auditoria Interna tem papel estratégico?

A Auditoria Interna tem papel estratégico?

Sim! O papel estratégico que a Auditoria Interna deve desempenhar na gestão dos riscos de fraude nas organizações foi tema de uma pesquisa internacional divulgada recentemente.⁣

Apesar de ser considerado essencial na gestão de riscos de fraudes nas empresas, o trabalho dos auditores internos ainda esbarra na falta de recursos. Isso é o que aponta o estudo “Fraud Risk Management in Internal Audit”, preparado pela consultoria Kroll em parceria com o IIA-The Institute of Internal Auditors.⁣

A pesquisa ouviu 704 auditores internos de várias partes do mundo, incluindo o Brasil, e apontou que, apesar de em 60% das vezes terem o resultado de seu trabalho considerado “excelente” ou “muito eficaz” na gestão de riscos de fraude nas empresas, 80% deles enfrentam barreiras para se envolverem de forma efetiva. Entre esses, 33% dos entrevistados apontam a falta de recursos.⁣

Outro dado relevante é que quase metade dos entrevistados revelou que a Auditoria Interna não está incluída na tomada de decisões estratégicas das empresas. Disseminar esse entendimento também no setor público é uma das bandeiras do Sindiauditoria. ⁣

Vale lembrar que evitar o erro sempre compensa mais que tentar consertá-lo.⁣

FIQUE SABENDO – A diferença entre o Auditor Interno e o Auditor Fiscal

Auditor Interno X Auditor Fiscal: qual a diferença?⁣

Não é tudo a mesma coisa?⁣
De jeito nenhum!⁣

Um (o interno) cuida para que o governo gaste de forma correta e inteligente; o outro (o fiscal), arrecada os recursos por meio dos impostos e faz a administração tributária. No âmbito estadual, os dois são essenciais para que o dinheiro que você paga nos impostos seja transformado em serviços públicos e infraestrutura.⁣

O Auditor Interno atua de maneira independente, apesar de ser um profissional admitido por concurso público. É como se ele fiscalizasse o próprio governo. Entre suas múltiplas funções, está a avaliação de riscos. Ele acompanha e orienta os gestores públicos sobre como fazer os pagamentos dentro das melhores práticas estabelecidas por órgãos de controle. O auditor interno atua para evitar que o erro aconteça. Assim, economiza quantias significativas aos cofres públicos.⁣

O Auditor Fiscal é o profissional responsável pela arrecadação dos tributos, por sua administração e pela orientação e fiscalização dos contribuintes, além da participação direta nas políticas fiscais, como a definição de benefícios e alíquotas para os diferentes setores da economia. É por meio do trabalho deles que os governos garantem recursos para manter os serviços públicos e a infraestrutura aos cidadãos.⁣