Fazenda de Santa Catarina e CGU juntas contra a corrupção

A Secretaria de Estado da Fazenda e a Controladoria Geral da União (CGU) estão coordenando um projeto inédito no país. Na última terça-feira (28) mais um encontro entre os técnicos das instituições ocorreu em Florianópolis, com objetivo de viabilizar o cruzamento de bases de informações do Governo Federal com o do Governo do Estado. Na base, está o trabalho de controle interno desenvolvido pelos auditores internos estaduais, responsáveis pela identificação das irregularidades e, também, das possíveis oportunidades para melhorar o gasto público dentro do Poder Executivo.

Esta foi a segunda reunião do grupo que, em dezembro de 2014, firmou um Acordo de Cooperação Técnica.  Para o coordenador do ODP/SC, André Pinheiro de Oliveira, a unidade da CGU é responsável por gerar informações estratégicas resultado do cruzamento de diferentes bancos de dados, a fim de subsidiar a melhor aplicação dos recursos públicos. “Nesse sentido, foi muito importante para Santa Catarina a criação do observatório estadual, sob a responsabilidade da Auditoria Geral, bem como poder compartilhar a experiência e conhecimento técnico da CGU no desenvolvimento desse trabalho conjunto”, afirma.

Oliveira entende que esta parceria é fundamental para a integração de informações relativas ao gasto público. “O projeto de expansão para os demais estados é importante para consolidar essa integração de informações qualificadas, que contribuirão para auxiliar à gestão pública, a diminuição de fraudes e o combate à corrupção”, reforça.

O diretor de Pesquisas e Informações Estratégicas (DIE), Gilson Libório de Oliveira Mendes, explica que o convênio tem algumas fases, dentro do cronograma de metas que foi estabelecido pelo grupo. “O trabalho é bastante complexo e exige atenção as particularidades do Governo do Estado, com todas as secretarias que compõem a administração catarinense. Estamos ajustando objetivos, levantando possibilidades e detalhando para ver a viabilidade das nossas hipóteses”, explica, ao sinalizar que o escopo de informações é grande e somente a análise detalhada vai apresentar os pontos de atuação.

 A previsão do grupo é que, até o final do ano, as primeiras hipóteses sejam confirmadas. Para isso, será necessário, também, utilizar as ferramentas de tecnologia para que elas possam conversar e trabalhar no mesmo sentido. As atividades continuam em Santa Catarina e no Distrito Federal concomitantemente, com encontros periódicos através de vídeos conferências. Haverá, ainda, um novo encontro presencial ao final dos trabalhos.

 Além de Oliveira e Mendes, outros profissionais participam das discussões. Representam a CGU, o chefe da CGU em Santa Catarina, Carlos Alberto Rambo, o gerente de projetos, Luciano Altoé e os analistas de finanças e controle Marcelo Campos da Silva e Alex Friedrich Seehagen; e da DIAG, integram o grupo, o gerente da GEAUD, Cícero Alessandro Teixeira Barbosa (representando Augusto Piazza, diretor da DIAG), o gerente da GEDIN, Marco Antonio Barbosa Lopes, o gerente da GAPES, Rodrigo Stigger Dutra, e o auditor interno Christian Corte Real.

Foto: Frederico da Luz / SEF
Foto: Frederico da Luz / SEF
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s