Auditores Internos comemoram sete anos das primeiras nomeações do segundo concurso da categoria em SC

Sete anos depois, os Auditores Internos do Poder Executivo, que passaram no segundo concurso da categoria no Estado, se reúnem para comemorar o marcante 18 de setembro de 2006, data da posse da primeira turma do concurso realizado em 2005. Reunidos com outros colegas, quarta-feira (18), na sede da Diretoria de Auditoria Geral (DIAG), em Florianópolis, os profissionais reconhecem os avanços do trabalho desenvolvido e as novas perspectivas que se abrem.

É unânime o entendimento que a Auditoria Geral, da Secretaria de Estado da Fazenda de Santa Catarina (SEF/SC), se desenvolveu muito e deixou de apenas fiscalizar e apagar incêndios, para colaborar na consultoria, assessoria e prevenção. Apesar da auditoria já pré-existir, eram só nove auditores para cuidar de todo o Estado. “Com a nossa entrada, o controle interno começou a acontecer melhor. Precisamos de um tempo para se descobrir, mas agora as coisas estão em um caminho certo”, analisa Cícero Alessandro Teixeira Barbosa, Gerente de Despesas de Custeio (GEAUD).

A auditora interna Gisele Rafaeli, do primeiro concurso, concorda que o aumento do potencial e do escopo de atuação é inegável. “Evoluímos no sentido de ter projetos novos e pessoas para executar as ideias. Antes não se conseguia planejar, hoje temos mais qualidade no trabalho”, reconhece. Ela foi responsável pelo estágio probatório deles, na época.

Para Herta Machado Capaverde, na época, havia muita expectativa em relação ao cargo, já que a função constitucional é de muita relevância. “Com o tempo, trabalhamos na melhoria das funções e hoje, apesar do nome de auditor, atuamos mais como consultores”, destaca. Para ela que trabalha na Consultoria Jurídica, esse papel é, justamente, o que tem maior importância.

“Nosso trabalho evoluiu muito e a gente cresceu junto com a auditoria. Hoje, atuamos em um trabalho mais preventivo e efetivo. A tendência, com a evolução do trabalho é um reconhecimento profissional ainda maior, uma valorização da categoria”, considera Luciana Zanatta, que atua na Gerência de Licitações e Contratos (Gealc).

Neste sentido, Isadora Castelli, que atua no Observatório da Despesa Pública da DIAG, também acredita que foi durante esses anos que o foco em assessorar se desenvolveu. “Não apenas fiscalizar é uma abordagem mais positiva”, defende. Isadora vê que os auditores internos tem uma função bem ampla e que envolve vários perfis. “É um dos motivos que me faz querer continuar”, afirma.

Esse crescimento, para Leda Leite Pereira Cipoli Ribeiro, da Gealc, é uma grande evolução. “No começo fomos procurando caminhos e rompendo com paradigmas e estruturas antigas. Hoje, estamos saindo da auditoria tradicional e trabalhando mais com a melhoria do Poder Executivo, evitando que ocorra o problema e ajudando na gestão pública”, reforça. Para ela, esses sete anos foram muitos profícuos. “Temos muitas perspectivas ainda e só tende a melhorar”, espera.

Por fim, para o diretor da DIAG, Augusto Puhl Piazza, “a posse da nova turma foi um divisor de águas pro Estado”. Para ele, a partir de então, começou uma nova sistemática. “Nos primeiros anos, fomos reativos apenas. Com a nossa gestão, estamos trabalhando mais na prevenção, preservação e assessoria. Apontando caminhos”, sustenta.

Para encerrar, os profissionais se confraternizaram com um lanche. Veja as fotos!

Este slideshow necessita de JavaScript.

Jaércio Bento

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s